Meu Verão na VTEX

por: Henrique Bejgel   April 14, 2015 15:45 em Behind the Scenes

Olá, sou Henrique Bejgel, um dos novos estagiários da VTEX. Hoje vou falar sobre a minha experiência no primeiro Summer Academy, o programa de estágio de verão no qual tive a honra de participar.

henrique


Prelúdio

Fiquei sabendo do Summer por um post no grupo de Informática da PUC-Rio, interessado para descobrir do que se tratava entrei na landing page do programa e logo me interessei. Apliquei para a vaga imediatamente!

Algum tempo depois recebi um email para marcar uma entrevista com o pessoal da VTEX. O problema: eu estaria viajando na data e portanto marcamos a entrevista pelo Skype. Foi pedido que eu elaborasse cinco perguntas para conhecer melhor a VTEX. Elaborei perguntas sobre testes, metodologias e sobre a estrutura da empresa em geral.

Quando chegou o dia da entrevista eu estava na República Dominicana, dividindo um quarto no hotel com meus pais. Acordei cedo e fui direto para a varanda começar a entrevista. Fui entrevistado por dois developers da VTEX, eles fizeram algumas perguntas sobre projetos meus e me passaram um coding challenge, eu achei o processo todo bem divertido e esclarecedor, eles responderam várias perguntas sanando muitas dúvidas sobre a empresa.

No mesmo dia recebi um email dizendo que eu havia sido aceito para a vaga, senti alívio e satisfação, minhas férias acabariam por ali, mas ao mesmo tempo as oportunidades de aprendizado seriam muitas.

Iniciação

O dia do começo do Summer Academy era o mesmo dia que eu cheguei de viagem. Sai correndo do aeroporto para a sede da VTEX e logo no primeiro dia já conheci grande parte da equipe além dos outros selecionados para o Summer. Foi uma agradável surpresa encontrar meu antigo monitor na PUC, como mentor do novo grupo de estagiários. Como mentor, ele foi o responsável por nos guiar nos nossos primeiros dias, organizar encontros com os desenvolvedores, apresentar a plataforma para os novos estagiários e nos ajudar a escolher um projeto para desenvolver.

Nos dias que se seguiram fomos bombardeados por apresentações sobre os mais diversos assuntos e tecnologias. Aprendemos sobre a arquitetura da plataforma VTEX, como usar melhor o git e tivemos um crash course de Go!

No final da semana fizemos um brainstorm para decidir qual projeto iríamos focar durante a nossa estadia na VTEX. Depois de várias reuniões e um processo (pode-se dizer doloroso) de corte de ideias, decidimos implementar a feature de compra recorrente, que já havia sido requisitada por alguns clientes da VTEX. O foco do projeto era implementar um sistema no qual depois do usuário realizar sua compra, ele tem a opção de receber os produtos comprados na sua casa, periodicamente, sem precisar passar pelo processo de checkout novamente. Essa usabilidade era muito requisitada por lojas que vendem produtos como ração para animas ou bens perecíveis que o usuário consome recorrentemente.

Dois grupos de quatro pessoas foram formados, dividimos as tarefas necessárias para o desenvolvimento do projeto e ficou decidido que eu iria ajudar seria Back-End Developer. O desafio havia sido apontado, restava traçar o caminho a ser percorrido para alcança-lo.

Aprendizado

Depois de muito debate e tentativa e erro chegamos a conclusão que implementaríamos o sistema em Go que é uma linguagem relativamente nova, criada pela Google para atender as necessidades internas deles mas que ao mesmo tempo é muito polida e se encaixava com as nossas necessidades.

Eu nunca havia escrito uma linha de código Go na minha vida mas fiquei muito animado em aprender uma linguagem nova! Ao longo da semana fomos aprendendo ainda mais sobre a cultura da VTEX:

  • Continuous Delivery
    • Vários deploys diários, features sendo lançadas rapidamente, bugs sendo corrigidos quase instantaneamente.
  • Testes
    • A importância de testar o código, ferramentas idiomáticas que possibilitavam escrever testes como se fossem uma história.
  • Ownership
    • Foi dado à nossa equipe a independência necessária para tomar as decisões cruciais do projeto: Em qual linguagem iríamos implementá-lo, como seria a interface do usuário, a arquitetura do projeto entre outras. Essa liberdade é muito importante, pois ao mesmo tempo que nos liberta de certas restrições, também nos faz querer atingir o melhor resultado possível, e para isso consultamos o máximo de pessoas que possam dar algum input valioso.
  • Ambiente Descontraído
    • Logo na semana em que chegamos houve uma pizza party na VTEX para apresentar novos estagiários! Conhecemos todo mundo, comemos pizza e apresentamos nosso projeto. Foi uma felicidade perceber o quão acoledora a galera da VTEX é, imediatamente me identifiquei com a cultura deles!

Nas semanas que se seguirem foram uma mistura de aprendizado, correria e camaradagem. Meu grupo era muito habilidoso e profissional, todos trabalhando duro para contruir um produto de qualidade. Durante o processo de desenvolvimento, atingi alguns roadblocks no meio do caminho, mas com a ajuda do pessoal da VTEX que se empenhava muito em esclarecer qualquer dúvida e ajudava em tudo que fosse necessário, conseguimos manter um bom passo de desenvolvimento.

Não posso deixar de mencionar o fantástico grupo no qual trabalhei com: Junto comigo no back-end o Genezys e no front-end o Thor e o Ricardo. Sempre que um de nós tinha uma dúvida em relação ao projeto, nós nos juntávamos e debatíamos possíveis soluções. Nossas decisões eram tomadas conjuntamente e muito pensadas.

Recomeço

Nas últimas semanas do programa a equipe toda estava correndo para concluir o projeto. Estávamos correndo contra o relógio para apresentar o máximo do que foi feito, afinal os dois meses do Summer Academy estavam prestes a terminar.

Quando o grande dia chegou o sistema não estava 100% pronto, mas foi possível apresentar o que foi feito e o que faltava, fizemos um resumo das funcionalidades implementadas e apresentamos para todos os funcionários da VTEX. Logo em seguida fomos chamados um a um para receber feedback personalizado dos nossos mentores. Foi uma satisfação saber que meu trabalho havia sido valorizado e que gostariam que eu continuasse estagiando na VTEX, um sentimento de recompensa por um trabalho bem feito.

No momento, o nosso projeto já está pronto para entrar em beta e será apresentado no VTEX DAY, onde vamos falar sobre as novas features que serão oferecidas e sobre nossas experiências no Summer Academy.

Não poderia concluir esse post sem agradecer a cada um dos funcionários da VTEX que cruzaram meu caminho nesse tempo, tanto os que passaram horas conosco ensinando boas práticas e funcionalidades da plataforma quanto aqueles que simplesmente nos perguntávamos como ia o projeto e se ofereciam para ajudar em caso de qualquer dificuldade.

A VTEX, mais do que uma empresa de e-commerce, é um lugar no qual eu me senti acolhido. A capacidade de se preservar uma cultura de start-up numa companhia desse tamanho é incrível, sou muito grato por ter tido a oportunidade de conhecer um lugar com ambiente e pessoas tão fantásticas.

No momento continuo trabalhando no serviço de compra recorrente. Amanhã, quem sabe? Esse é outro ponto positivo da VTEX, de uma hora pra outra você pode estar trabalhando com algo que nunca viu antes. O aprendizado nunca termina aqui.

Gostou? Estamos contratando!